Funções fisiológicas do magnésio

Na actividade e transmissão neuromuscular, o Mg2+ actua sinergicamente ou, em alguns casos, antagonisticamente com o cálcio. As suas propriedades de antagonismo cálcio, aplicadas ao nível das fibras musculares arteriais, dão-lhe um papel protetor nas cardiopatias isquémicas, problemas de ritmo e hipertensão arterial. Durante a contracção muscular compete com o cálcio nos sítios da troponina, parvalbumina, miosina e calmodulina.

Mg2+ tem acção na libertação de histamina dos mastócitos, na libertação de acetilcolina dos nervos terminais colinérgicos e tem um poder sedativo. Tem a particularidade de reduzir as concentrações de dopamina, adrenalina e noradrenalina o que o torna num mineral anti-stress.

O mineral tem um papel crucial na modulação da resposta das células B à glicose por interferência com a permeabilidade ao potássio. É importante na síntese da insulina, sendo considerado por alguns autores como um 2º mensageiro da acção da insulina.

Paolisso e col., acerca de um estudo realizado em 8 diabéticos idosos não insulinodependentes com obesidade moderada, concluíram que a administração de magnésio pode ser um adjuvante útil aos agentes hipoglicémicos clássicos, no tratamento dos diabéticos não insulinodependentes, por aumentar a secreção de insulina, contribuindo assim para a melhoria do controlo metabólico.

Na síntese da paratormona intervém o Mg2+. Este, é ainda necessário ao funcionamento da 11-hidroxilase, enzima interveniente na síntese do cortisol e da aldosterona.

Ao nível do aparelho cardiovascular actua como protector, deprimindo a condutibilidade e irritabilidade do miocárdio.

No sistema de homeostase sanguínea actua como factor antitrombótico . o Mg2+ opõe-se assim a agregação plaquetária por um mecanismo competitivo antagonista com o cálcio, o que foi observado “in vitro”. Este ião atrasa a formação de fibrina por uma acção ao nível da protrombina, factores V, VII e, sobretudo, factores IX e XII.

O Mg2+ serve como catalizador no metabolismo do fósforo e acido pirúvico.

A administração simultânea de Mg2+ e flúor reduz o flúor disponível para o crescimento de ratos, o que pode também explicar o melhoramento da fluorose nos porquinhos-da-Índia.

O Mg2+ é também importante nos seguintes sistemas: sistema da anidrase carbónica e génese do amoníaco; Sistema nervoso central, pelo seu efeito anestésico e narcótico; participação nos sistemas de defesa do organismo, por estimulação da síntese de anticorpos e Interferon; sistema ósseo, pela sua acção na calcificação, inibindo a precipitação do fosfato de cálcio.

Fahin e col. estudaram o efeito de variações do Mg2+ e Mn da dieta, na razão de crescimento e metabolismo de ratos. Concluíram que, restrições de Mg2+ e/ou Mn na dieta reduzem significativamente a razão de crescimento dos ratos e que o Mn pode ser substituído pelo Mg2+, em caso de dietas deficientes naquele mineral.

Durlach e col., a partir do estudo do âmnio humano isolado, demonstraram haver um antagonismo entre o Mg2+ e o chumbo por libertação dos sítios da membrana saturados pelo metal tóxico. Esta propriedade é importante porque, durante a gravidez o magnésio, quer alimentar, quer hídrico pode proteger o âmnio contra os efeitos nocivos do metal cancerígeno e assegurar o trânsito normal dos elementos nutritivos para o feto. Bara, para além destes efeitos, refere ainda que o Mg2+ e a taurina actuam como activadores da transferência iónica, podendo haver um efeito compensador da taurina na ausência de Mg2+ e vice-versa.

Fonte:  https://solucaoperfeita.com/magnesio/funcoes-bioquimicas-e-fisiologicas-do-magnesio-parte-2/